[Opinião] Mary Poppins - P. L. Travers





Título Original: Mary Poppins
Tradução: José Miguel Silva
Editora: Relógio D’água
Páginas: 208
Classificação: 3,5/5




Sinopse
Jane e Michael não gostavam da sua antiga ama. Também não tinham a certeza de ir gostar da nova: Mary Poppins. Rapidamente mudaram de ideias quando a viram deslizar pelo corrimão acima – e retirar de seguida várias coisas empolgantes de um saco de alcatifa vazio. Agora a única preocupação deles é que ela não parta, pois Mary Poppins apenas prometeu ficar “até que os ventos mudem”.

Opinião
Um dos clássicos da literatura infantil chegou, durante a Feira do Livro de Lisboa, a minha casa. Não consegui resistir a comprá-lo…é uma versão muito bonita da Relógio d’água, com capa dura, papel cuidado e muito fácil de ler (e o preço também ajudou…).
Durante o ano de 2014 vi o filme Saving Mr. Banks (opinião aqui) que contava a história da produção do filme Mary Poppins – os conflitos e atritos entre Walt Disney e a autora do livro, Travis – e mostrava também algumas histórias do passado da escritora, que mostravam o porquê de ter criado um livro com uma ama mágica.
Depois deste filme tentei ver o filme Mary Poppins, mas não tive oportunidade, tendo visto apenas partes (já sei metade das músicas de cor). 

Depois desta introdução, vou finalmente falar do livro. A história retrata uma família de um nível económico alto, em que o pai é um homem muito ocupada – trabalha no banco -  e não tem tempo nem disposição para lidar com os filhos; a mãe é uma senhora da sociedade que tem sempre muito para fazer, e cuidar dos seus filhos não é uma das suas prioridades; e depois temos quatro filhos – dois gémeos bebés, um menino (Michael), e uma menina (Jane).
O livro começa com a chegada de Mary Poppins a casa desta família para tratar das crianças – é uma mulher bastante severa, muito vaidosa, que consegue fazer magia. Leva as crianças a passear, não pelos sítios mais comuns, mas por sítios mágicos, fazendo o deleite dos pequenos. Mas existem algumas atitudes da ama que por vezes eu não percebia muito bem – depois de cada aventura mágica, sempre que uma das crianças conversava com ela sobre isso, ela negava sempre, como se fosse tudo obra da cabeça deles – mas havia sempre objectos destes passeios mágicos, que comprovavam a sua existência.

É um livro com uma escrita muito fluída, mas que, se torna por vezes confuso, porque Mary Poppins, apesar de ser uma pessoa mágica, é extremamente fria e distante – tem magia, mas nega tê-la, por vezes é muito meiga com as crianças, outras vezes é extremamente severa. Apesar de tudo gostei do livro…a infância já é, só por ela, mágica, e com uma ama que pode fazer magia, ainda torna este período de crescimento mais enriquecedor.



Comentários

  1. Nunca li este livro e, sinceramente, não percebo porque nunca fiquei curiosa sobre ele, mesmo após ter lido várias coisas sobre o filme Saving Mr. Banks. Bem, até agora! Tenho de o pôr na lista para o requisitar :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Fazes bem Neptuno! Vale a pena ler...é um livro muito curioso. Bastante diferente daquilo que estaríamos à espera.
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar

Enviar um comentário