[Livros Natalícios] 13 - 2 Histórias de Natal - Alice Vieira/João Caetano





Uma criança não quer acreditar que o Pai Natal não existe, como os pais lhe querem fazer crer. Um Pai Natal que acha que também tem direito a receber presentes. São duas histórias de Alice Vieira, com belíssimas ilustrações de João Caetano, para oferecer aos mais pequenos (e que os graúdos também vão gostar de ler) neste Natal.




Realmente, este tipo de livros infantis são fantásticos. Sabem porque é que eu digo isso? Eles são escritos para crianças, mas conseguem deleitar qualquer adulto, quer seja pelas histórias, quer seja pelas ilustrações. Não conhecia este livro, mas quando o descobri fiquei com imensa vontade de o comprar (ainda não disse isto sobre nenhum livro de Natal, pois não!? :p).

Antes desta rubrica nunca me tinha dado "ao trabalho" de pesquisar histórias de Natal, nem imaginava que havia tantas de escritores portugueses. mas tenho tido agradáveis surpresas durante as minhas pesquisas. Tenho mais uns livrinhos de escritores portugueses guardados na “manga” que irão aparecer nos próximos dias…

Em relação a estas histórias da Alice Vieira, deixo-vos um bocadinho do início da primeira história, para vos abrir o apetite:
“Quando o despertador tocou, a casa inteira parecia ainda adormecida. Lavínia sentou.se na cama e, de repente, lembrou-se que o Natal estava à porta.

“Meu Deus”, exclamou, “tanta coisa para fazer e eu aqui deitada!”

Não tardaria a ver a Mãe chegar a pedir-lhe o pequeno-almoço, ou o Pai a resmungar porque queria ter ficado mais tempo na cama. “Adultos…”, pensou, “é preciso ter muita paciência com eles…”

A Mãe andava agora com aquela mania de que o Pai Natal não existia!

Lavínia sorria, e cheia de boa vontade lá lhe explicara que isso era mentira, que ela não devia acreditar em tudo o que lhe diziam no emprego.

O emprego era para onde Lavínia levava a Mãe e o Pai todos os dias. Lá estavam outros adultos, e todos brincavam muito uns com os outros, até que chegava o momento de voltarem para casa. Depois era a hora de tomar banho, Lavínia contava-lhes uma história e eles adormeciam.

Mas nestes últimos tempos, com o Natal á porta, andavam muito excitados.

- O Pai Natal não existe. Eu sei – dizia a Mãe.

- O Pai Natal é mentira. Toda a gente sabe – dizia o Pai.

Então Lavínia, cheia de paciência, contava-lhes a história verdadeira do Pai Natal, e todo o trabalho que ele tinha na noite de 24 de Dezembro, para escorregar pelas chaminés abaixo e deixar, na cozinha de cada criança, aquelo que cada criança tinha pedido.

- E como é que ele cabe na chaminé? – perguntava a Mãe.

- Não se está mesmo a ver que é mentira? – dizia o Pai.

Lavínia sorria, sorria sempre. Eram tão engraçados, os adultos! O pior é que o tempo passava muito depressa. Não tardariam a ficar crianças, e então perdiam a graça toda. Era aproveitar agora. 

(retirado de Wook.pt)

Previous
Next Post »

2 comentários

Write comentários
Kel
AUTHOR
25 de dezembro de 2015 às 19:15 delete

Ainda bem que gostou!
Festas felizes!

Reply
avatar

Mensagens populares